NASA anunciará misteriosa descoberta sobre a lua na segunda-feira

A próxima coletiva de imprensa da NASA em 26 de outubro de 2020 promete “uma nova descoberta empolgante sobre a lua”, com referências ao ambicioso programa Artemis da agência, um plano para enviar a primeira mulher e o próximo homem à superfície lunar em 2024.

Nova descoberta intriga astrônomos e cientistas

A NASA quer que você se empolgue com a lua – ou, mais especificamente, com um novo resultado científico misterioso que a agência planeja revelar em uma entrevista coletiva no seu site oficial por volta das 12h da manhã. -> Sintonize aqui .

Uma declaração sobre a entrevista coletiva promete “uma nova descoberta emocionante sobre a lua” e faz referência ao ambicioso programa Artemis da agência.

NASA anunciará misteriosa descoberta sobre a lua na segunda-feira, essa descoberta faz referência ao ambicioso programa Artemis.
Missão Artemis em projeção em solo lunar – Crédito: NASA

O que poderia ser? É possível que o anúncio esteja relacionado ao gelo de água ao redor do pólo sul da lua, considerado um possível recurso futuro para astronautas na lua. 

Os cientistas também previram que – sob as superfícies de Marte, Vênus e nossa própria lua – existem cavernas vulcânicas majestosas, formados pelo fluxo de magma e cobertos por minúsculos cristais. 

Essas cavernas lunares podem fornecer abrigo para futuros exploradores lunares, e a NASA vem testando um rover exploratório para esse fim.

SOFIA | Observatório aerotransportado

O anúncio também se refere a um observatório aerotransportado, denominado SOFIA. O observatório está a bordo de uma aeronave germano-americana que fez seu primeiro vôo em 2007. O próprio telescópio viu as primeiras luzes em 2010.

SOFIA é um telescópio infravermelho instalado a bordo de um avião a jato 747 modificado que carrega seus instrumentos acima da maior parte da atmosfera terrestre, o que oferece algumas vantagens únicas. 

A atmosfera da Terra é turbulenta e turva. Por exemplo, apenas o rádio e a luz visível passam facilmente pelas diferentes camadas atmosféricas, o que significa que outros comprimentos de onda de luz, como infravermelho, não são facilmente capturados com câmeras terrestres. 

Os instrumentos da SOFIA se concentram na luz infravermelha, estudando objetos em nosso próprio sistema solar e além.

Ao contrário dos telescópios infravermelhos no espaço – como o Telescópio Espacial Spitzer e o Observatório Espacial Herschel (ambos agora aposentados) – o SOFIA é relativamente fácil de atualizar, pois retorna rotineiramente à Terra, onde é operado e mantido conforme necessário no Centro de Pesquisa de Voo Armstrong da NASA em Palmdale, Califórnia. 

Um anúncio excitante?

O currículo de SOFIA é impressionante. O telescópio identificou oxigênio na atmosfera de Marte, observou a primeira ligação molecular detectada no espaço.

Além disso, SOFIA observou além, como colisões de exoplanetas, colisões e galáxias.