Asteroide mais rápido que conhecemos vai cruzar a órbita da Terra

A NASA classificou o 2001 FO32 como um “Asteroide Potencialmente Perigoso” devido à sua passagem próxima pelo nosso planeta.

Este viajante do espaço vai passar na nossa vizinhança a uma velocidade de 123.887 km/h, o mais rápido já identificado até hoje.

Asteroide mais rápido que conhecemos

Trata-se da maior rocha conhecida que vai passar em 2021 próximo do nosso planeta, mais precisamente em 21 de março.

O asteroide 2001 FO32 tem cerca de 1 km de diâmetro e, a menos que a sua órbita mude, não trará risco de impacto. No entanto, esta rocha espacial é de interesse também porque é uma das rochas espaciais mais rápidas que se conhece voando no nosso sistema solar.

Conforme foi monitorizado, o Asteroide 2001 FO32 viaja a 123.887km/h ou a 34,4 km por segundo, em relação à Terra. Em contraste, a Terra gira em torno do Sol a cerca de 30 km por segundo.

Desde 2001, ano em que se descobriu o FO32, sabe-se que é de bom tamanho e ocasionalmente passa perto da Terra. Assim, este foi classificado como um asteroide potencialmente perigoso.

Órbita do Asteroide 2001 FO32

NASA classifica-o como potencialmente perigoso

Segundo as rotas simuladas pela NASA, a 21 de março de 2021, a distância mais próxima do FO32 à Terra ocorrerá a meio da tarde, pelas 16h03. Assim, ele passará a cerca de 5 distâncias lunares, ou cerca de 2.016.351 km.

O conjunto das suas características fazem dele um interessante motivo de análise, dado que é o mais rápido e, pelo seu tamanho, é maior que 97% dos asteroides que conhecemos.

Um aspeto fascinante dos asteroides leva a que os observadores a usar telescópios de quintal os identifiquem como “estrelas” aparentemente lentas.

Normalmente leva pelo menos 5 a 10 minutos para que os utilizadores do telescópio de quintal detectem o movimento de uma rocha espacial na frente do seu campo estelar.

Contudo, o asteroide 2001 FO32 estará a passar pela Terra num ritmo tão rápido que, quando estiver mais próximo, os observadores a usar telescópios de 8 polegadas ou maiores poderão detectar o seu movimento na frente das estrelas, em tempo real.

Depois de passar pela Terra em março deste ano, o próximo encontro deste asteroide com o nosso planeta ocorrerá daqui a 31 anos, em 22 de março de 2052.

No entanto, a abordagem de 2021 será a mais próxima da Terra pelos próximos 200 anos para os quais a sua órbita foi calculada.